Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Últimas Notícias > Ação Negatória de Parentalidade: Verdade Biológica X Verdade Socioafetiva
Início do conteúdo da página
Legislação

Descanso Semanal Remunerado

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Empregado receberá em dobro por repouso semanal concedido após sétimo dia!

  • Escrito por Leandro Lopes Bastos
  • Criado: Terça, 04 de Março de 2014, 22h15
  • Publicado: Terça, 01 de Abril de 2014, 22h15
  • Última atualização em Domingo, 20 de Setembro de 2015, 22h00

 A todo empregado é assegurado um descanso semanal (remunerado) de 24 (vinte e quatro) horas consecutivas, o qual, salvo motivo de conveniência pública ou necessidade imperiosa do serviço, deverá coincidir com o domingo, no todo ou em parte. Quando as atividades da empresa exigirem trabalho aos domingos, será estabelecida uma escala mensalmente organizada de revezamento. Além disso, tal trabalho está subordinado à permissão prévia de autoridade competente em matéria de trabalho.

O repouso semanal remunerado tem o fim de proporcionar descanso físico, mental e social ao trabalhador. Por isso, deve ser respeitada sua periodicidade, não podendo ser elastecido por parte do empregador, que muitas vezes permitem que seus funcionários só o usufruam após 8 (oito), 9 (nove) dias de trabalhos seguidos. Tal atitude afronta o direito dos trabalhadores inserido no rol dos direitos sociais previsto na Constituição Federal.

O repouso semanal remunerado tem o fim de proporcionar descanso físico, mental e social ao trabalhador. Por isso, deve ser respeitada sua periodicidade, não podendo ser elastecido por parte do empregador, que muitas vezes permitem que seus funcionários só o usufruam após 8 (oito), 9 (nove) dias de trabalhos seguidos. Tal atitude afronta o direito dos trabalhadores inserido no rol dos direitos sociais previsto na Constituição Federal.

Segundo a Orientação Jurisprudencial 410 da SBDI-1 do TST a concessão de repouso semanal remunerado após o sétimo dia consecutivo de trabalho, importa o pagamento em dobro do referido descanso.

Com base nessa Orientação assim decidiu o TST:

"A Cassol Materiais de Construção Ltda., de Blumenau (SC) e com atuação em outras cidades, foi condenada pela Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) a pagar folga semanal em dobro a um vendedor que lhe prestou serviços em 2011 e 2012.  Para a Quinta Turma, a concessão da folga após o sétimo dia consecutivo de trabalho acarreta seu pagamento em dobro.

A empresa alegou que havia previsão em convenção coletiva de concessão de um domingo de folga a cada dois trabalhados de forma contínua, mas que, mesmo assim, concedia o repouso em domingos alternados. Argumentou também que, nas semanas em que a folga não era no domingo, era concedida antecipadamente. A Vara do Trabalho de Blumenau (SC), porém, considerou que tal sistema fazia com que o empregado trabalhasse muitos dias sem folga, e que o vendedor "trabalhou de terça-feira até a quarta-feira da semana seguinte, o que não se pode admitir".

Na sentença, o juiz enfatizou que a garantia constitucional é de folga semanal remunerada preferencialmente aos domingos. Condenou, então, a Cassol a remunerar em dobro os domingos trabalhados, com reflexos nas demais verbas. O Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC) reformou a sentença, por entender que não havia ilegalidade no sistema de folgas. Com entendimento diferente, o relator do recurso no TST, ministro Emmanoel Pereira, avaliou que o TRT-SC, ao reformar a sentença, contrariou a Orientação Jurisprudencial 410 da Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1) do TST. Ele salientou que o repouso semanal remunerado tem o fim de proporcionar descanso físico, mental e social ao trabalhador. Por isso, "deve ser respeitada sua periodicidade, ou seja, o intervalo para sua concessão é, no máximo, o dia posterior ao sexto dia trabalhado", afirmou, lembrando que esse é um direito inserido no rol dos direitos sociais dos trabalhadores (artigo 7º, inciso XV, da Constituição da República)."

 

Fim do conteúdo da página